quinta-feira, 19 de maio de 2016

4# Update

Não vos queria trazer tristezas. Mas estou virada do avesso, preciso de escrever e vocês já sabem a peça que estão a seguir. Quero fazer um texto minimamente coerente pelo menos. Estou danada. Com a vida. Tudo tem dado certo, já posso morder a língua quando digo que ninguém me responde de Portugal, porque além de para a semana ir falar com uma senhora que faz terapias assistidas com animais e que me quer conhecer, estou ainda com possibilidade de estágios futuros noutro centro desses. Vou acabar o mestrado e a minha família dá-me possibilidade de estudar o que quero posteriormente, quero melhor? Não. Tenho tudo o que peço. Mas só choro. Só choro, todos os dias. E nego que tenho uma depressão. Se calhar Diana, está na altura de aceitares que isto te está a acontecer. 
Mais choro menos mijo, posso ver por aqui, choro mas faço os trabalhos na mesma...vou fazendo, e vou chorando, não faz mal. Mas o que faz mal é que perdi um animal hoje. E eu sou das pessoas que mais facilmente se apaixona por animais, cá em casa aliás somos todos assim. Temos dois gatos em casa e ultimamente havia uma gatinha a rondar, viu-se que era abandonada, mesmo gatinha de casa e a minha avó começou a alimentá-la (sou vizinha da minha avó), passado umas semanas ela começou mesmo a miar à nossa porta, como os nossos gatos não foram muito amigáveis, fizemos para ela uma cama na varanda para ela não passar frio e deixávamos que ela entrasse cá em casa para comer. Ás tantas já perseguia o meu coelho no jardim ahah e já se dava mais ou menos com os nossos gatos. Já dormia na minha cama. Já ronronava quando lhe dávamos festas. Já começava a fazer parte da família. Para isso tínhamos de a levar ao veterinário porque ela parecia estar grávida e nós tínhamos de nos certificar que não íamos ter ai uma ninhada em mãos. A minha mãe saiu com ela de casa de manhã e não voltou viva. Não era gravidez, era cancro. Puseram-na a descansar, o cancro era enorme, tal era a barriga que achávamos que estava quase para ter bebés. Sei que teve os seus últimos dias de forma confortável e com amor. E não tenho que ver com o modo e o momento em que ela tinha que partir, mas os animais e a natureza têm sido o meu chão, o campo, as ovelhas, o ozzy, etc e não esperava que tal acontecesse. Só de pensar que a abandonaram por saber que ela tinha cancro...há gente que não merece o ar que respira.

Beijinhos para todos, como sempre é com carinho que leio os vossos comentários, obrigada.

11 comentários :

  1. É uma crueldade abandonar um amigo numa fase em que ele mais precisa de cuidados. Mas há quem abandone os filhos, não é?...
    Trata de ti, senão algum dia os teus pais abandonam-te. eheheh

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente, há quem faça isso mesmo, às pessoas...
    E pelo menos, a bichinha passou os últimos dias de vida, feliz... e muito acarinhada... se não havia tratamento... terá sido melhor assim, poupando-a de mais sofrimento... que certamente já teria tido...
    Vá... fica bem, e não te vás agora abaixo, que tens feito imensos progressos!... E nem tudo está tão mal assim, afinal de contas...
    Força! Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
  3. Que notícia triste, mas serve o consolo de lhe terem dado um final de vida maravilhoso!
    nem mais nem menos | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  4. Que notícia triste, mas o que importa é que lhe deram carinho :)

    ResponderEliminar
  5. Oi Diana!Puxa,fiquei com uma pena enorme da gatinha...lembrei logo da minha...Mas e você?Tudo dando certo e o choro não passa? Estou torcendo muito por você,viu? Um abraço!

    ResponderEliminar
  6. Oi Diana!Puxa,fiquei com uma pena enorme da gatinha...lembrei logo da minha...Mas e você?Tudo dando certo e o choro não passa? Estou torcendo muito por você,viu? Um abraço!

    ResponderEliminar
  7. Foi de coração apertado que li o teu texto porque já sabia que algo não ia acabar bem.
    Apesar de restar o consolo de não ter morrido sozinha em grande sofrimento na rua, quando eles entram em nossa casa (seja por breves dias, seja por anos) a partida é algo que doi muito.
    E com estes a ligação é tremenda e ver a recuperação e adaptação (pequena que seja) é uma vitória tão nossa, tão pessoal...
    Resta-me dizer te que ...és especial!!! Obrigada por seres assim...nunca percas o teu "eu" para uma depressão...porque pessoas como tu...tão humanas como tu...fazem falta...muita falta!!!
    Beijinhos
    elisaumarapariganormal.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Quando não tem jeito... fiquei triste por aqui.
    bjs

    ResponderEliminar
  9. Oh, é uma situação mesmo muito triste... Abandonar um animal que vive incondicionalmente para nós, é uma verdadeira crueldade. Mas pelos menos, vocês deram-lhe amor e carinho nesse momento tão importante =)
    ****

    ResponderEliminar
  10. Olá, Diana.
    No meio disto, tentemos ver o lado menos mau: como tão bem dizes, tu e tua família proporcionaram-lhe um tempo menos mau ( digo menos mau, porque ela deveria estar a sofrer bastante, nesse estado).
    Independentemente da gente se apegar aos bichos, é sempre uma tristeza saber que sofrem.
    A mim não me admira que as pessoas abandonem os animais, pois que abandonam seus próprios pais! As enfermarias de hospital têm muita gente de idade, em final de vida, que é levada para lá pelos familiares que não os querem.
    Há seres-humanos que deveriam se chamar seres-desumanos.
    Olha "choras, mijas menos"? Quem dizia isso era a minha avó =)
    Mas tem lá cuidado com isso, que tens que mijar também ;)

    bjn amg

    ResponderEliminar